XIMENA VARGAS (BOGOTÁ, COLÔMBIA)

Realizadora independente de Cinema e Televisão, graduada pela Universidad Nacional de Colombia. Foi co-fundadora e ministrante do projeto "Disparando Cámaras para la Paz", até 2005. A partir de 2002 e até o momento é produtora, assistente de direção e parte do laboratório de artistas do MAPA TEATRO. Aturalmente, está encarregada da operação de vídeo ao vivo durante os espetáculos da companhia. Em 2006, vincula-se à Facultad de Artes da Universidad Nacional de Colombia até 2011, ano em que inicia o mestrado em Teatro y Artes Vivas da mesma universidade, concluído em 2013. Em 2016, a equipe de curadoria do Museo de Antioquia, encarregada do projeto Movimientos de la Imagen. Desde 2017, é agente na Colômbia do Coincidencia, programa de intercâmbios culturais entre Suíça e América do Sul, da Fundação suíça para a cultura Pro Helvetia.

 

CYNTHIA EDUL (BUENOS AIRES, ARGENTINA)

É dramaturga, narradora e licenciada em Letras pela Universidad de Buenos Aires. Formada pela EMAD, em 2006, recebeu o Prêmio Primera Obra outorgado pelo Argentores pela peça Miami. Também é autora das peças Familia Bonsai, La excursión e A dónde van los corazones rotos (peça que também dirigiu no Centro Cultural Ricardo Rojas em 2012). Seu primeiro romance, La sucesión, foi publicado pela Editorial Conejos em 2012. Seu próximo romance será publicado em breve pela Lumen, Penguin Random House. Dirigiu o Centro de Experimentación do Teatro Nacional Argentino. É professora da Universidad de San Andrés, da Universidad de Hurlingham e diretora, com Alejandro Tantanian, da plataforma para artistas latino-americanos Panorama Sur.

 

ARIEL FARACE (BUENOS AIRES, ARGENTINA)

É escritor, dramaturgo, ator e diretor teatral. Estudou Letras na Universidad de Buenos Aires e Dramaturgia na Escuela Metropolitana de Arte Dramático de Buenos Aires. Suas peças se apresentaram na Argentina, Brasil, Chile, Uruguai, México, Espanha e Alemanha. Colabora como dramaturgo em projetos de dança e música contemporânea. Dirige o projeto editoral Libros Drama, dedicado à dramaturgia argentina contemporânea. Desde 2017 é curador no Teatro Nacional Argentino – Teatro Cervantes. Coordena oficinas de escritura em diferentes cidades da Argentina e de outros países. [Foto: Leandro Bauducco]

 

ROCÍO RIVERA MARCHEVSKY (VALPARAÍSO, CHILE)

Coreógrafa, bailarina e docente. Designer Gráfica da PUCV. Fundadora e diretora da Companha Mundo Moebio. Curadora da plataforma Movimiento Sur até 2016. É co-diretora do escenalborde, Artes Escénicas Contemporáneas e do Festival Internacional Danzalborde. Professora no curso de Teatro da Universidad de Playa Ancha. Suas criações foram apresentadas em diferentes partes do Chile e em diversas cidades da Espanha, Bolívia, México, Uruguai, Argentina e China, países em que também atuou como docente. Na docência (com experiência na maioria dos países anteriores), dedica-se principalmente a transmitir a improvisação como experiência de consciência corporal e espacial no treinamento de bailarinos, atores, designers e arquitetos, mas também como ferramenta para criação. Pratica e ensina Contato Improvisação desde 1998.

 

CATARINA SARAIVA (COIMBRA, PORTUGAL)

É curadora, produtora, dramaturgista e pesquisadora de artes performativas. Tem pós-graduação em gestão cultural e master em “Prácticas Escénicas y Cultura Visual” pela Universidade de Alcalá de Henares, Espanha. Começou a trabalhar em produção de teatro em 1992. Fez parte da equipe Alkantara entre 1999 e 2009, assumindo a direção de produção e executiva da associação em 2001 e mais tarde a direção artística do Espaço Alkantara. A partir de 2010, enveredou pela investigação e programação artística. Participou e desenvolveu projetos de curadoria e investigação em Madrid em colaboração com La Casa Encendida e Matadero Madrid. Entre 2012 e 2014 assumiu a direção artística do Festival Panorama, no Rio de Janeiro, Brasil. Desde 2015 é curadora do projeto internacional Movimiento Sur, sediado no Chile. Em 2017 é convidada pela casabranca para repensar o festival Verão Azul e assumir a curadoria das próximas edições do festival. Em 2018 lança a primeira edição de Linha de Fuga, um festival e laboratório internacional de criação artística, em Coimbra.

 

CAROLINA BIANCHI (SÃO PAULO, BRASIL)

Carolina Bianchi é diretora, performer e dramaturga. Formada em atuação pela Escola de Arte Dramática da USP, suas criações atravessam o teatro, a dança e a performance por meio de trabalhos autorais em parceria com artistas multidisciplinares. A esse coletivo de artistas que a acompanham a cada obra, deu o nome de CARA DE CAVALO. Sob esse formato concebeu: Mata-me de prazer (2015), Quiero hacer el amor (2017), LOBO (2018) e uma nova versão de Mata-me de prazer (estudo oral) em 2018. Integrou a residência de dramaturgia Panorama Sur em Buenos Aires em julho de 2017, onde escreveu a primeira versão de LOBO. Em novembro de 2018 realizou uma mostra de seus trabalhos no Sesc Vila Mariana/ SP, "Maratona das Paixões", e iniciou uma residência para uma nova criação prevista para 2019. Coordena os workshops "Hardcore from the heart - práticas porno coreográficas", "Manifesto de um corpo delirante" e um laboratório de escrita regular intitulado " A escrita Incandescente".

 

FELIPE RIBEIRO (RIO DE JANEIRO, BRASIL)

Felipe Ribeiro é artista da imagem, curador independente, e Professor do DAC/UFRJ – Núcleo de Dança e Cinema. É Doutor pelo Instituto de Artes Visuais/UERJ e mestre em Cinema Studies pela NYU. Escreveu e dirigiu Trans-Tv (2009) e é co-criador de Justo uma Imagem (2012), Espalha pra geral! (2011) e Eu, um branco (2013) – espetáculos de dança e tecnologias de vídeo. Em 2018, realizou Ruminações, exposição individual sob curadoria de João Paulo Quintella. É curador e diretor artístico da Plataforma Atos de Fala e coordena o Traço - Núcleo de Performatividades da Imagem na UFRJ.

 

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now